quarta-feira, 29 de agosto de 2007

Felipe

Entendo você muito bem. As nossas vidas não são vidas, são produtos de vitrine , de criticas, de idéias vendidas e tudo que não seja aquilo que chamam de vida! Então que se dane se o outro esta com dinheiro e seus dentes foram pintados de branco para ele apresentar uma melhor aparência. Que se dane toda essa besteira que nos rodeia. Eu voto naqueles que viveram , quebraram tabus — mesmo sabendo que de nada adiantaria. Eu voto nos desconhecidos, nos rebeldes, nos extintos. O que vem de novo, eu jogo no lixo. E aquelas pessoas vestidas de dinheiro sujo que vão para a puta que pariu.
Felipe.

Esse é o cara que profere os recados que sacodem minha pessoa nas horas que preciso. Que fazem você questionar tudo que é possível, que faz você repensar tudo e rever seus conceitos. Isso me lembrou um trecho do livro que eu estou a ler, do tal Graciliano Ramos. Pois é.
E vão todos pra puta que pariu!

Certos lugares que me davam prazer tornaram-se odiosos. Passo diante de uma livraria e olho com desgosto as vitrinas, tenho a impressão que ali se acham pessoas exibindo títulos e preços nos rostos, vendendo-se. É uma espécie de prostituição. Tipos bestas.

P.S.: Alguém já parou para pensar como fazem aqueles testes sem sentido da Capricho (“seu namorado tem tesão por você?”, “você é vaidosa ou largadona?”, “você é neurótica?”)

sábado, 25 de agosto de 2007

Q

Comecei um curso de espanhol idiota. Não é tão idiota… eu até que gosto de rever todas aquelas coisas bestas que eu já sei.
Ontem foi o dia de aprender um milhão de conjugações e de saber como se pronuncia cada letra do alfabeto. Você não pode falar aberto, porque espanhol é uma lín gua contida. Ou seja, nada de falar éééé, áááá, óóó… mania. Aprendam isso. Bom, então lá estavam as letras e do lado como se pronunciavam as mesmas. Todos tinham que pronunciar como um coral a letra e o som…
B -> bê… C, cê… Q, cu… sim, cu! Eu já deveria ter me acostumado com isso, confesso que da primeira vez fiquei chocada e depois me acostumei, porém, 20 pessoas falando “CU” bem alto era muito engraçado e ainda tinha aquilo de prolongar a sílaba, ou seja, "CUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU". Sim, enrolei tudo isso apenas para dizer isso.
Caí em uma gargalhada interminável e deixei todo mundo constrangido. Foda-se, foi muito engraçado… aaaaaaaaaaah, isso foi! Hahahaha!

sexta-feira, 24 de agosto de 2007

Ombros

Estou totalmente louca. Primeiramente por causa do Halls e de outras balas com gosto de menta que deixam a minha boca dormente, segundo pelo cheiro embriagador de alguma coisa qualquer.
Preciso voar, correr na velocidade da luz, ver pessoas lindíssimas e… inexplicável! Preciso que as pessoas sejam mais educadas. Eu quero dançar! Dançar até cair e continuar com essas balas de menta, hortelã (não sei a diferença) na minha boca… tudo está divertido! Lindo! Lindo! Lindo! Lindo!
Preciso contar, quero ler isso daqui há sete anos, relembrar e rir, com eu faço agora! Estou sentindo um misto de melancolia com tristeza, mas eu me sinto feliz. Simplesmente feliz. Feliz porque eu estou totalmente alucinada por um fato que me ocorreu.
Lá estava eu, com a minha pressa habitual — em decorrência dos meus milhares de atrasos, na Rua Santa Amélia (se não me engano esse é o nome da rua… alguma coisa com Amélia), quando eu vejo uns ombros magros, e eu tenho um super tesão por ombros magros!

[De salto alto]
— Para ser bonita é preciso sofrer.
— Eu sofro muitíssimo, mas não sei se sou bonita.

quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Solidão

Eu não sei o que é a solidão. Não sei mesmo… nunca me senti só. Acho fantástico ficar comigo mesma, com minhas esquisitices, paranóias e neuroses. É divertido!
Hoje, ao todo, falei mais ou menos 40 e poucas palavras, escutei bastante. Sentei em uma praça e vejo um casal beijando (leia-se, comendo). Tudo bem, comum. Depois de sete minutos da mais pura putaria, eles começam a discutir:
— Porra, Ricardo, tô te esperando há 4 horas, merda!
— Pára com isso, não quero brigar com você.
— Vai me foder seu filh* d…
*smack, smack e smack*

Estava um frio terrível, então, entrei em uma igreja católica porque igrejas católicas são quentes e acontecia uma missa. Eu entro e todos os olhares se voltam pra mim.
— Para que Maria seja mãe da filha de Fulanadetal, (engrossa a voz duzentos por cento) RÊZÊMUS (rezemos)!

Não consigo parar de rir… estou viciada em biscoitinhos de banana com canela. Eu não gosto de canela, mas adoro o biscoito de banana com canela… É viciante!
Comentei que me matriculei em um bilhão de cursos e atividades diferentes? Curso de inglês, curso de espanhol (espanhol é tão chato, tem regrinhas chatas), teatro, dança, cantar, barará, ler livros em bibliotecas falidas. Só sei que estou em sentada e acordada porque inúmeras chávenas de café me mantém.
Escrever burrices e coisas imbecis. Grandes merdas! Estou estúpida, estúpida… Cat Power vem… vem… vem… vem…

quinta-feira, 16 de agosto de 2007

Gente de bom coração

Juliana diz:
Vamos comer doces e salgados? Estou rica!
Raquel diz:
Vamos sim! Comeremos tudo escondido? E… tem como você me dar uma ajuda financeira pra eu sair semana que vem?
Juliana diz:
Escondido, né?
Juliana diz:
Tem como eu te ajudar financeiramente com 2 reaus.
Raquel diz:
Ah, mas como você tem um bom coração!
Raquel diz:
Muito obrigada. Escondido, porque aí a gente come igual cachorro Otto e não precisa dividir! (6)
Juliana:
Siiiim!!! (6) Quando sairá?
Raquel diz:
Não sei… provavelmente semana que vem, já que essa semana estou atarefada. Que horas vamos comer os doces e os salgados?
Juliana diz:
19:10.
Raquel:
Cerrrrrrrrrrrto!

Eu ainda tenho amigos legais e ainda existe gente boa nesse mundo, seus ingratos!
Explicação: eu tive um cachorro que se chamava Otto. Quando colocávamos a ração ele comia tudo violentamente em 5 segundos.

terça-feira, 14 de agosto de 2007

Posso?



É como eu sempre digo: as pessoas podem pagar bebidas, doces e o que diabo a quatro para mim, porque eu vou usufruir de tudo e depois sair correndo!

Estou com saudade da psicóloga-amiga-da-família que receitava droguinhas da alegria a torto e a direito. Estou com saudade da tia Carla Cecarello do Aprendendo Sobre Sexo.

Cheguei a conclusão ontem que eu vou enlouquecer. Depois de me matricular em um bilhão de aulas diferentes descubro que o tempo que eu tenho para ir de um curso para o outro é 10 minutos.

“Peter, give me my… my… my borracha or I will kill you!”
(aula de inglês, pra quem não sabe: meu inglês é péssimo)

domingo, 12 de agosto de 2007

Bubu

Minha professora de espanhol é tão simpática, ela fica sorri um tempão e ela tem uns dentes bonitinhos e umas sardas e um cabelo vermelho super simpático. Super apaixonante!

Tô muito Jonhson hoje. Muuuuuuuuuuito!

sábado, 4 de agosto de 2007

Dora

Pode parecer futilidade, materialismo, exagero, besteira, porém, é fato.
Eu não sei como reagir na frente de pessoas muito bonitas. Pessoalmente, lógico. Afinal, na internet o diabo vira príncipe. Meu gosto pra beleza é meio esquisito.
Ontem, peguei o metrô, sentei e comecei a ler um livro repetido que tem em minha casa. Angústia (Graciliano Ramos, muito bom o livro). Quando me sentam três pessoas maravilhosas simultaneamente a minha volta. Do meu lado esquerdo, do meu lado direito e bem na minha frente. Não consegui me concentrar. Minhas mãos suaram e tudo e eu forçava uma naturalidade. Uma porcaria isso.
Aliás, padrões de beleza me afetam muito. Se eu conheço uma moça (ou moço) loira, dos olhos azuis, peituda e com dentes alinhados, eu já fico com um pé atrás, meio desconfiada. Não confio muito em gente do padrão-geral-de-beleza, padrão, que, aliás não é o que me agrada.
Pois é.

.

Conheci dois argentinos com um sotaque simpático, bonitinho. Eles usam umas roupas bonitas e moram em um hotel na Glória, perto da Lapa. Marcamos de sair algum dia. Lucas e Xavier.
Isso me lembrou o BBB. Sim, aquela moça loira-padrão, a… bom, quem viu sabe que é a Antonella. Quem não viu foda-se. Ela tem aquele sotaque deles. Troca o J pelo X.
Enfim, isso me lembrou uma charge em que ela fala mal da Juliana. Juliana é a garota que enfrentou 4928384927 paredões e tem um nariz e queixo que podem afundar o Titanic de tão pontudos. (escrever não tem graça, tem que contar com toda a encenação)
— Eu odeio a Xuliana!
— Calma. Não fala tão alto… Quando formos nos referir a ela a gente usa só a primeira letra do nome dela, tá?
— Então, a Xota…

Eu ria como uma babaca no meio da rua lembrando disso!

E… conseqüentemente me lembrou uma piada. Escrever também não tem graça.
— Sério… não fala mal da Dora. (que Do…?) Por que você disse que A-Dora dá o cu?

Hãn, hãn… sacou?