sábado, 15 de novembro de 2014

O Do Cabelo de Anjo

Quando eu conheci o Douglas, sei lá, em algum Reveillon que eu fui parar em Ipanema, ele utilizava a cabeça raspada  acho que um corte militar, se não me engano. E foi assim por anos e ele era apenas o Douglas, amigo meu de noitadas, de se escorar um no outro de tão bêbados, gente finíssima uma figura. Um dia, seu cabelo estava um pouco maior que o normal e eu pensei que era aquele período em que a gente está começando a se sentir mal com a própria imagem antes de decidir cortar o cabelo novamente. Eu, pelo menos, sou assim. Mas eu estava enganada, o cabelo foi crescendo, crescendo e crescendo e deu lugar a cachos e assim ficou. Um dia, calhamos de trabalhar a duas ruas de distância e, por acaso, ele foi ao lugar que eu trabalhava e o apresentei a minha chefe.
Um dia, minha chefe chegou e disse "vi o seu amigo!" e eu "que amigo?" e ela "o do..." e fez um gesto de espiral com as mãos e aí entendi que era uma referência ao seu cabelo de anjo. Esses dias alguém foi se referir a ele e disse "Douglas? Que Douglas? O do cabelo de anjo?"?
Tudo isso pra chegar a uma conclusão: engraçado como do nada certas características se tornam referência da pessoa. Espero que a minha seja "que Raquel? Aquela do sorriso mais lindo do mundo?" ou "que Raquel? Aquele espírito evoluído?" mas eu acho que não, infelizmente.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

14 de novembro

Cheguei atrasada, suando um pouco devido ao nervosismo do meu atraso… porra, fazer o papel da noiva atrasada sempre pega mal, mas eu sou assim e cheguei sorrindo com o meu melhor sorriso, o mais sacana, doce… tudo ao mesmo tempo, tão linda e contraditória que sou.
— Oi!
— Dormiu comigo?
— Anh? Que?
— Pra você chegar desse jeito sem me dar um bom dia, você só pode ter dormido comigo.
— Ah… Nem me liguei, pegar o metrô de manhã me deixa amarga.
(Dormiu comigo?" Essa expressão é incrível, nunca tinha ouvido ela antes… vou passar a aplicá-la no meu dia-a-dia como um indicativo do desprovimento de educação básica da pessoa... oops, mas eu tive conhecimento da mesma em primeiro lugar porque eu não dei bom dia, né? Mas o meu olhar e sorriso falam por mim, não preciso ficar dando bom dia porra nenhuma)
— E qual é a sua história fenomenal no metrô de hoje?
— Nenhuma. Só que tá foda. Porra, tá foda pra caralho. Não suporto pegar ônibus em horários de pico porque aparentemente há uma franquia do filme Velozes e Furiosos - Edição Transporte Público Alegria de Ser Carioca que está sendo rodada, sabia? Assim que você calmamente entra e se ajeita no ônibus, o motorista dá uma bela arrancada a sei lá quantos km/h fazendo com que você caia de alguma maneira bem constrangedora… talvez pela roleta ou em outros passageiros. Já o metrô faz uma parada de uns 5 minutos entre a Praça Onze e Central, só que esse trecho onde ficamos parados é em uma curva e é muito desconfortável ficar em pé porque o vagão fica meio torto, diria que a uns 25º do chão de inclinação, de modo que você sente que vai cair pra direita. O desconforto em si de se equilibrar já é desagradável, mas ficar socada com aquele monte de gente durante minutos é porra-sei-lá, claustrofóbico pra dizer o mínimo.
— Você reclama demais.
— Eu sei.
— Senti sua falta.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Ledusha

"Foi assim que te conheci... deslumbrante."
Caio

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Porque em todos os dias da sua vida você terá uma história pra contar, nem que seja dos outros.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

To sentindo aquela vontade que não surgia há muito tempo e que só passa quando eu escrevo (há mais de um ano, pelo menos), tipo quando você tá com muito tesão e só passa quando goza (desculpe pela analogia mas foi a única coisa que eu pude pensar). Minha mente tá cheia de pensamentos e eu não consigo pinçar uma coisa pra iniciar aqui um raciocínio, então o começo pelo processo que ela tá passando, sobre as coisas que não se sabem pôr em palavras ou pontuar, só sentir.

Esse dias me perguntaram "qual seria a minha arte" (a que eu me identifico? A minha favorita? A que eu acho que me expresso melhor?) e eu sem titubear disse literatura. Não que eu saiba escrever (acho que nunca aprendi, sabia?) mas ler é um troço alucinante, né? Te leva pra todos os lugares, exceto a sua realidade. Mas eu tô falando disso porque quero começar um raciocínio que eu ainda não sei bem quem qual é.

Hoje acho que foi o primeiro dia em muito tempo que... ando falando "primeiro dia em muito tempo", né? Acho que preciso botar um significado de dicionário no meu "muito tempo", mas ah vá... faz muito tempo que eu não sentia tão bem na minha pele. Não que eu me horrível em ser a pessoa que vos fala, mas sempre houve o pensamento de quando eu estava no rio das almas ou sei lá como Platão chama o rio que você passa antes de reencarnar, sempre houve o pensamento que eu tivesse escolhido uma alma diferente pra ficar. Isso porque eu nem acredito nisso... mas sabe, nascer numa vida diferente, ter escolhas diferentes, ter principalmente uma personalidade diferente. Mas isso eu acho que todo mundo, né? Mas o lance da personalidade principalmente. Eu tava lendo um artigo sobre "30 sintomas que você é um sensitivo" e eu tive a pontuaçaõ 29/30 (o 1/30 é que não me ligo nas energias pesadas dos lugares). Acho que sensitivo não é bem aquele lance que a gente vê na tevê, né? Sei lá... deve ser aquela pessoa que absorve todas os sentimentos (bons ou ruins) do mundo. Todas as dores e alegrias do mundo. E é assim que eu me sinto todos os dias, sentindo intensamente tudo, mesmo que não me diga respeito. Me arrependendo de pequenos atos e coisas ditas, sofrendo quando há um crime que choca a mídia, chorando quando um fodido se dá bem uma vez na vida, quase quebrando tudo quando sinto raiva... sempre intensamente. E isso me mata por dentro, eu não queria ser assim. Mas hoje eu me senti bem de ser eu. Me senti foda pra caralho, gostosa pra caralho, interessante pra caralho e sem uma boa razão pra isso. E eu marco acontecimentos que me marcam, portanto, 06/11/2014 - O Dia Que Me Senti Maravilhosa Dentro de Mim.

Quando eu era criança, eu morava no 12º andar num prédio em uma rua que sobe pra Santa Teresa e eu tinha toda a certeza do mundo que se eu olhasse pro Sol, o meu dia duraria o que parecia ser 5 minutos. Mas o Sol era tão lindo, brilhante e cheio de vida que eu sempre quebrava a minha promessa e olhava pro Sol da janela lá do alto do 12º andar, mesmo sabendo que o meu dia passaria tão rápido que eu nem sentiria. Hoje eu entendo que era a infância apenas sendo infância. Mas a sensação que eu tenho é como se eu ainda olhasse pro Sol da minha janela no início da manhã todos os dias.

E eu nunca contei isso pra ninguém.

P.S.: Ainda acho que a culpa é de Vênus em Câncer.

domingo, 2 de novembro de 2014

Aprendi a sambar. Juro.
https://www.youtube.com/watch?v=kJHMt8lOhvE

<3 p="">P.S.: Só eu acho esses comerciais do YouTube um coito interrompido do caralho?
Te pedem o seu mapa astrológico. Aí você pensa "ok, eu adoro meu mapa astrológico" e manda. Até que você vê que sua Vênus é em Câncer e aquilo berra na sua cara, pois o entendimento geral é: sentimentalóide e carente. Mas aí você já tropeçou muito na vida e é bem geminiana, curte ser independente e tals. Única descrição na internet que eu não achei (muito) esculachante:

http://astrologiaeradeaquario.blogspot.com.br/2011/06/venus-em-cancer.html

Obs.: A título de curiosidade meu Marte é em Touro... ou seja: fogo e intensidade! Ui!

sábado, 18 de outubro de 2014

Aquela coisa que sempre procurei nos seus e nos meus caminhos, sabe? Aquela coisa que a gente procurou a vida toda, mas não sabe o que é. Aquela coisa, sabe?

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

No táxi

E como você conheceu sua esposa?
Na fila do cinema.
Fila do cinema? Puta que pariu... destino, hein?
Destino mesmo. Era Dia das Mães.
Você com a sua mãe e ela com a dela?
É... Eu tava na fila, aí a menina da frente virou e disse muito séria "você poderia segurar o meu lugar na fila enquanto levo minha mãe ao banheiro"? Tão séria que parecia uma jornalista apresentando uma catástrofe... Gata pra caralho.
E aí?
Aí eu disse "mas é claro que não!".
Cara, não acredito nisso! E aí?
E aí ela disse bem cheia de marra: "como é que é? Você é muito mal educado e grosso!" e eu não podia deixar passar. Eu olhei bem fundo nos olhos dela e disse "ou você leva sua mãe no banheiro e vai pro final da fila ou você fica aí e assiste o filme do meu lado, tudo em família". Ela sorriu. Linda. Na semana seguinte estávamos namorando.

sábado, 16 de agosto de 2014

Quem me lê aqui e não me conhece pessoalmente não sabe mas a minha voz é grave pra caralho. Daí que o meu vizinho (sempre ele) resolveu reclamar (de novo) que tava tendo muito barulho vindo do apartamento. Esse vizinho é cheio de manias e "carne de pescoço" segundo o morador anterior, portanto, minha medida fio: falar com ele de uma vez só sem respirar, direta e muito firme e o maluco terminou pedindo perdão em nome de Jesus. Vrááá.
Pra escutar de manhã e ficar de bom humor o resto do dia:
https://www.youtube.com/watch?v=D_Bj8wrXslk

Pra pensar (Meu segredo é que sou rapaz esforçado/Fico parado, calado, quieto/Não corro, não choro, não converso/Massacro meu medo/Mascaro minha dor/Já sei sofrer):
https://www.youtube.com/watch?v=B9utRQ8EGsM