terça-feira, 27 de julho de 2010

— Sabe quando você tá jogando Pokemon e tenta jogar a sua Pokebola no Pokemon do oponente tentando capturá-lo e aparece uma mensagem dizendo que você não pode fazer isso? Então, é uma metáfora pras coisas da vida que você vai muito querer fazer, porém não poderá. Enfim, é uma lição de como ser um bom perdedor.
— Caraca, o meu maior sonho é ser magra sem fazer nada, não agüento fazer dieta, não, cara… imagina só, um dia eu acordo na cama, as roupas todas frouxas e tal, todo mundo “ué, cadê a Mariana?” e eu magrinha… ah. Não, né? Ia ficar muito Professor Aloprado.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

— Que sorriso psicótico no seu rosto é esse?
— Sei lá… não vou saber explicar. Nossa! Que cabelo branco.
— Ele deve usar um xampu especial próprio para cabelos brancos.
— É tão branquinho e brilhante. Dá pra ver a maciez. Nossa, que lindo. Se eu tivesse a cabeça branca assim, cara, ia ser muito bacana.
— É, mas a sua família tem o cabelo branco escroto.
— É mesmo… sempre uns frios brancos soltos e espalhados. Sabe que eu tenho um tio que teve o primeiro fio de cabelo branco aos sessenta e cinco anos? Enquanto que o meu irmão mais novo teve o primeiro aos treze?
— Não sabia que você tinha irmão.
— Ninguém sabe, eu não comento. Eu tenho três e eles seguem o mesmo padrão — homens, militares, carecas, machos, fios de cabelo branco antes dos quinze, acima de 1m e 85cm, casados, pais de família e não assistem tevê.
— Ah, Raquel. Ainda bem que você é mulher. Imagine que bichinho asqueroso você seria se fosse homem.
— Mamãe disse que uma vez disseram que eu parecia com o mais novo e eu chorei vinte minutos sem parar.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

O cara que trabalha comigo tem duas netas. Algumas vezes elas ficam aqui no escritório porque a mãe e o pai estão trabalhando e elas não podem ficar sós. A mais velha deve ter uns nove anos e é uma chata, tipo chora porque você não vai levá-la para comer junkie food.
A mais nova deve ter um seis anos e é o tipo de criança que você queria ter sido um dia ou então que os seus filhos fossem — viciados em jogos, hiperativos e tímidos. Ela é muito fofa, o nome dela é Thaís e ela sabe o meu nome. Algumas vezes ela senta em frente a minha mesa e fica me olhando.

Hoje ela me trouxe um bombom e saiu correndo.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Hoje eu estava apressada porque tava atrasada. De novo. Saí andando bem depressa e escutando um grindcore nervoso pra dar mais emoção a minha determinação. Aí, sei lá como, eu tropecei e caí, quase quebrei o pé, foi ridículo. Nem tinha me dado conta, até ver que eu tava na grama. Foi uma vergonha imensa. E foi em frente a minha casa, os tiozinhos do bar do lado quase tiveram uma EQM de tanto rir.

Então, eu levantei bem lady e fui andando como se nada tivesse acontecido. Classuda e tal. Quando eu saí do metrô, dei por falta dos meus novos óculos (os antigos foram mortos na enchente que teve no RJ). Mais que depressa, paguei uma nova passagem e voltei lá.

Quando estava no exato local que eu caí, vi uma oficina de carros que eu nem sabia que existia e fui lá.

— Oi.
— Oi…
— Desde quando o senhor está aqui?
— Desde os quatorze anos.
— Hah, não foi isso o que eu quis dizer. Há uns vinte minutos eu caí bem ali. Você me viu caindo? Então, eu vi que os meus óculos caíram também e eu só notei agora e eu vim buscar e eu não tô encontrando, você viu alguém pegando?
— Não.

Voltei lá, procurei mais um pouco, sentei na grama e chorei.

Foi isso.
Eu perdi os meus óculos de novo.

Porra, por que essas coisas só acontecem comigo?

Obs.: Quando eu estava perto de chegar ao trabalho, eu pisei num bueiro e jorrou água no meu tênis novo.
Sabe quando você se arrepende de um monte de coisa que na hora parecia ser maior válido? Então. Só pra saber, não tem nada a ver, mas eu tô me perguntando o porquê eu tô com gosto de café com leite na boca, sendo que 97% das vezes eu tomo puro. Aí eu penso que se eu nunca tivesse tomado café com leite, jamais saberia o gosto. Vende viagem pra voltar no tempo?

terça-feira, 6 de julho de 2010

— Oi, então, eu estou de saída, mas queria dizer pra você atualizar o seu blog. Beijo.
— Só isso? Eu vou atualizar, cara… só que eu não tenho nada pra dizer.
— Ah, tá.
— Mas, sério, semana que vem eu atualizo porque vai acontecer o caso mais surreal tipo da minha vida inteira.
— É? O quê?
— Eu vou entrar na cadimía.
— Sério?
— Consegue imaginar eu convivendo com gente que toma esteróides?

Eu ainda não entrei de fato. Estou para começar, mas já comprei tênis especiais da Diadora especialmente para essa função. Só que eu tenho muita personalidade e acho que no meu primeiro dia eu vou usar a minha camisa do Mario Bros, ou então a do console do Nintendo que eu tenho.

E uma calcinha. Sei lá, não quero usar lycra ou esses tecidos ridículos. Nem com óculos eu acostumei. Nem com ar-condicionado eu acostumei. São objetos muito anti-naturais pra mim.