terça-feira, 30 de agosto de 2011

Eu ando pensando muito nisso, sabe, essas coisas de Deus tentar me dar um sinal de alguma coisa, só acontece merda na minha vida, mas eu não estou reclamando, pelo contrário... toda a merda me motiva, de alguma maneira. As coisas se tornam importantes, qual será o próximo momento bonitinho ou esquisitinho da minha vida, isso acontecia muito antigamente, aquela coisa de virar a noite conversando com alguém, aquele interesse de querer saber mais e mais, agora parece que eu vivi uns mil anos. São três e meia da manhã, que bosta.
Alguém ainda se dá ao trabalho de ler aqui? Lembro de anônimos (as) se manifestando muito tempo atrás. De qualquer maneira, no último mês eu quase quebrei o pé duas vezes e revivi o momento de maneira menos intensa pelo menos cinco vezes e não melhora de jeito nenhum. Pelo menos eu aprendi a manejar uma cadeira de rodas. Eu fico pensando se é o jeito de Deus dizer que eu ando fazendo alguma coisa de errado ou se afinal eu sou cega mesmo, desastrada. Tenho que marcar uma consulta com um neurologista.
Ontem, domingo, o dia mais babaca da semana, eu me encaminhava ao ponto de ônibus, quando uma mulher muito bonita veio correndo na minha direção, quer dizer, mais ou menos, na minha direção do tipo que iria passar pela minha esquerda, sabe... aí ela veio sorrindo, sorrisão mesmo, eu discretamente olhei pros lados, não queria sorrir de volta se não fosse pra mim... mas não tinha ninguém de substancial do meu lado ou atrás de mim e, aos poucos, eu sorri de volta, aquele sorriso meio de lado, meio acanhado, sem graça... faz tempo que isso não acontece: ficar sem graça. E eu fiquei com medo de, sei lá, tropeçar e cair ou tropeçar e estragar o pé de novo e aí eu ia ficar mais sem-graça... snowball. Salvou o meu dia. De verdade.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Essa semana, me arrastaram pra ver Cilada.com e é bem legal até, eu tenho as minhas críticas, mas vamos fingir que elas não existem, depois dizem que eu sou amarga pra caralho, etc. Rola uma coisa que o Bruno Mazzeo não consegue dizer "eu te amo" pra Fernanda Paes Leme, toda uma saga em busca de limpar a própria imagem depois dela jogar um pornô no YouTube e ninguém denunciar, reconquistar o amor dela, coisa e tal.

No final do filme SPOILER SPOILER SPOLER ele consegue dizer e tudo fica ok, perdão por contar o final tão imprevisível, mas né. E aí você fica meio que... nossa, que babaca, ela se dobra por um eu te amo e tal. Babaca. Babaca.
Não tem nada a ver, mas até uma hora atrás eu tava pensando em coisas do tipo I need to get laid, can someone help me?, mas aí... sabe, pedaços do passado muitíssimo distante surgem assim, do nada... não é nada especial, é só ler umas paradas soltas, uns pensamentos soltos e pensar, pqp, que foda, eu me apaixonei por essa pessoa um dia e ela continua tipo... incrível, cinco anos depois. Meus olhos enchem-se de lágrimas e aí eu penso que, porra, eu sou babaca igual.
Eu quase não posto aqui porque rola uma divergência entre a conta do blog e a do resto do mundo Google e aí eu tenho que mudar o navegador. Só isso.